sábado, 25 de outubro de 2014

Papão vai em busca do gol

Jogadores pregam que abrir o placar fora de casa vai deixar o time mineiro pressionado, tendo que fazer três tentos

Confirmado na cabeça-de-área, o volante Ricardo Capanema busca seu segundo acesso para a Série B pelo Paysandu. Em sua terceira temporada com a camisa bicolor, ele acumula uma subida, uma queda e, esse ano, duas suspensões por problema extra-campo. Como resolve quando joga, sempre contou com uma dose extra de paciência. Capanema lamenta a ausência dos jogadores, mas engrossa o discurso de que o elenco está preparado para o que der e vier.
“Infelizmente perdemos dois grandes jogadores, o Zé Antônio e o Augusto Recife estão fora. Creio que por quem o professor optar entrar no jogo, com certeza vai dar seu melhor. Estamos cientes disso, temos que dar nosso máximo, se não o resultado positivo não vem. O professor Mazola treinou muito forte nosso grupo. Fizemos um bom jogo dentro de casa, vamos com a vantagem para lá e estamos focados para trazer a classificação e não ser surpreendido em Juiz de Fora”.
Para conquistar o acesso, os bicolores têm a vantagem do empate. Para Capanema, o Papão tem que se impor sobre o Tupi-MG e buscar um gol fora de casa, para colocar o adversário sob pressão. “É uma pequena vantagem o empate, mas nossa equipe está focada, sabemos do jogo difícil que vamos ter pela frente. Temos que atacar, não adianta só ficar lá atrás apenas nos defendendo. Se a gente fizer um gol lá, eles vão ter que fazer três. Este é o nosso pensamento, mas todo mundo ajudando na marcação, começando lá da frente e se ajudando.”
Um dos responsáveis pelo ataque, Ruan prega o mesmo. Segundo ele, o Paysandu tem tido boas apresentações nos últimos jogos e tem que manter a mesma pegada em busca do acesso. “Cada jogo é uma dificuldade a mais e você trem que saber lidar com isso. Será um jogo perigoso e a pegada tem que ser a mesma. Temos comprometimento e vamos ter que entrar com tudo. É uma decisão. Como eles vão entrar para ganhar, teremos que querer mais que eles. Estamos tranquilos e confiantes”, observou o jogador, que espera uma concentração total de quem estiver de azul e branco para chegar ao tão sonhado objetivo. “Não podemos desligar nem em um minuto. Serão 90 minutos de atenção e é assim que as coisas boas acontecem”
**Fonte JAmazonia

Tupi x Paysandu - Papão defende ‘tabu’ pelo retorno á Série B

Time paraense não perde há mais de dois meses fora de casa no Campeonato Brasileiro da Série C

Juiz de Fora, MG, (AFI) – O Paysandu completou, na última sexta-feira, dois meses sem derrota fora de casa. E o time paraense quer manter a escrita neste sábado, quando enfrenta o Tupi, às 16 horas, no Estádio Mário Helênio, em Juiz de Fora, pela partida de volta das quartas-de-final do Campeonato Brasileiro da Série C.


A última derrota do Papão da Curuzu, longe de Belém, aconteceu no dia 24 de agosto, quando perdeu para o ASA de Arapiraca, por 1 a 0. De lá pra cá foram duas vitórias – Botafogo-PB (1 a 0) e Crac (3 a 0); e um empate – Fortaleza (0 a 0). Ou seja: já são dois meses sem perder em território inimigo.


No confronto de ida, na capital paraense, o Paysandu venceu por 2 a 1. Augusto Recife e Bruno Veiga marcaram para o time bicolor, enquanto Bruno Barros, aos 40 minutos do segundo tempo, descontou para o Tupi e manteve vivo o sonho do time mineiro pelo inédito acesso à Segunda Divisão Nacional.

Para carimbar o acesso, o Paysandu precisa de um simples empate ou qualquer vitória sobre o adversário. Enquanto o Tupi é obrigado a vencer por 1 a 0 ou por dois ou mais gols de diferença. Vitória do Galo por 2 a 1 levará a decisão para os pênaltis.

TUPI REFORÇADO
O técnico Léo Condé recebeu uma boa notícia para o duelo contra o Paysandu. O zagueiro Wesley Ladeira, que vinha se queixando de dores na panturrilha, treinou normalmente e deve ser relacionado para a partida.

Além do retorno de Ladeira, o volante Gustavo deve voltar ao time titular na vaga de Genalvo. No treinamento, Léo Condé escalou Douglas isolado no ataque, mas o setor ofensivo deve ser formado por Élder Santana e Chico, destaque do Galo Carijó nesta Série C.

Para o comandante, o time está pronto e preparado para reverter o resultado negativo sofrido em Belém, no último final de semana. Para ficar com a vaga na Série B da próxima temporada, o Tupi precisa da vitória por 1 a 0.

“Wesley Ladeira é um jogador que está com muita vontade de ir para o jogo. Treinou muito bem. Ele tem grande chance de começar jogando, e isso é muito bom para o grupo já que ele é um dos líderes. Temos que ir pra cima do Paysandu, mas com inteligência. Precisamos da vitória a qualquer custo”, afirmou o comandante do Tupi.

MAZOLA TEM PROBLEMAS NO PAPÃO

O técnico Mazola Júnior (foto abaixo) tem desfalques para o jogo deste sábado. Zé Antônio, expulso no jogo de ida, e Augusto Recife, que recebeu o terceiro cartão amarelo, estão suspensos e não jogam. Embora não confirme, o treinador deve optar pela entrada de Lenine e Ricardo Capanema, respectivamente.

“A equipe do Tupi é muito competitiva e experiente, e jogando em casa não tenho dúvida de que vai querer ir pra cima, fazer seu resultado. Mas a gente está confiante no que vai nos esperar lá. Sabemos da dificuldade que vamos encontrar. O que nós queremos realmente é o acesso, não tenham dúvida disso, vai ser com muita entrega, com muita garra”, disse o zagueiro Fernando Lombardi em entrevista coletiva.

**Fonte Agência AFI

Ficha do Jogo: Tupi-MG X Paysandu-PA


Tupi-MG X Paysandu-PA
Campeonato Brasileiro
Série C - Quartas de Final

Local: Estádio Mario Heleno - Juiz de Fora (MG)
Data: 25.10
Hora: 15hs. (Hora de Belém)

Arbitro: Andre Luiz de Freitas Castro (GO)
AssistentesFabricio Vilarinho da Silva (GO) e Jesmar Benedito Miranda de Paula (GO)

Tupi
Rodrigo, Henrique, Wesley Ladeira, Fabrício Soares e Raphael Toledo, Gustavo, Léo Salino, Maguinho, Éwerton Maradona, Chico e Élder Santana (Douglas).
Técnico: Léo Condé

Paysandu
Douglas, Charles, Fernando Lombardi e Pablo, Pikachu, Lenine, Ricardo Capanema, Héverton e Airton, Ruan e Bruno Veiga.
Técnico: Mazola Jr.

Paysandu, chegou a hora

Hoje é o dia que todos os bicolores esperaram durante tido o ano, o jogo que decide o acesso para a Série B

O dia é hoje, o adversário, o Tupi, de Minas Gerais. O jogo que pode reconduzir o Paysandu para a Segunda Divisão será na casa do rival, mas a equipe paraense tem como trunfo jogar por um empate ou por uma derrota de 3 a 2 ou 4 a 3.
Desde o dia 29 de novembro do ano passado, quando empatou sem gols com o Sport Recife-PE, na Ilha do Retiro, e teve o rebaixamento confirmado, que o Paysandu espera pela oportunidade de voltar à Série B do Campeonato Brasileiro. Quase um ano se passou e, às 15 horas de hoje (horário de Belém), o Papão volta a campo para tentar retornar à Segundona. Há uma semana venceu o Tupi-MG por 2 a 1, em Belém. O resultado garantiu uma vantagem mínima de jogar pelo empate, mas ela existe e é pró ao time paraense.
Ao time mineiro basta uma vitória pelo placar mínimo de 1 a 0 para seguir adiante e conquistar o acesso. Outro 2 a 1 leva a decisão para as penalidades. Uma vitória ou empate garante a vaga ao alviazul, que também fica com o acesso se perder por um gol de diferença, desde que o placar seja de 3 a 2, 4 a 3, daí em diante, por causa dos critérios de desempate.
Na partida no estádio Radialista Mário Helénio, em Juiz de Fora (MG), o Paysandu tenta fazer valer a arrancada final que teve nos jogos de volta desse Campeonato Brasileiro. Nos nove jogos referentes ao “segundo turno”, oito deles sob o comando mais uma vez de Mazola Júnior, a equipe paraense venceu cinco vezes, empatou duas e perdeu outras duas. Curiosamente, desses nove resultados, só um se repetido tiraria a vaga bicolor, o 1 a 0 sofrido para o ASA-AL, dia 24 de agosto, pela 12ª rodada. Um levaria a decisão para as penalidades, o 2 a 1 para o Cuiabá-MT, dia 19 de setembro, pela 16ª rodada. Os sete demais todos favorecem ao Papão, mesmo as derrotas.
O Tupi tem seus números a favor, também. Das três derrotas que teve nessa Série C, nenhuma delas foi em casa. No Mário Helênio, foram apenas três empates (Macaé-RJ, Guarani-SP e Juventude-RS, todos por 1 a 1), e seis vitórias. Até perder para o Paysandu na semana passada, o Galo Carijó defendia uma invencibilidade de 13 partidas, tendo alcançado a segunda melhor campanha dentre os 2º times da primeira fase. É um cartel de respeito.
O equilíbrio é patente. Para o site de estatísticas esportivas Chance de Gol (chancedegol.uol.com.br), o Paysandu aparece com 50,5% de chegar à semifinal, ou seja, de garantir o acesso logo mais. Ao Tupi resta 49,5% de chances. Para a partida, o site do estatístico Marcelo Leme de Arruda crava o time mineiro com chances de 57,4% de vencer, com o empate e uma vitória bicolor com 23,2% e 19,4%, respectivamente. Isso com uma vitória do Galo, dependendo do resultado, ainda assim beneficiar ao Papão.
Entre os jogadores, esses números são coisas para analistas. Tudo será decidido dentro de campo, por quem correr mais e estiver num dia mais feliz. “A primeira decisão já foi e temos que ter tranquilidade agora. Temos uma vantagem que não é grande, por isso teremos que saber administrar isso”, afirma o atacante Bruno Veiga, autor de um gol em Belém. “Atenção terá que ser total. Uma bola pode decidir o jogo. A gente estava vencendo de 2 a 0 e o terceiro estava mais próximo quando levamos aquele gol. Um lance, uma bola decide um título”, finaliza o meia Héverton.
**Fonte JAmazonia

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

“É o jogo mais importante que temos”, diz Pikachu

O lateral Yago Pikachu, do Paysandu, considera o embate deste sábado (25) diante do Tupi-MG, em Juiz de Fora (MG) como o mais importante do ano. Mesmo com a vitória adquirida no primeiro jogo, ele garante que grupo não entrará em campo acomodado com a vantagem. 
“Sabemos que possuímos uma pequena vantagem, mas não podemos nos apegar neste fator. Nós estamos prontos para esta partida, estamos juntos e focados em busca desse acesso para o Paysandu e dar essa alegria para o nosso torcedor”, garante. 
Pikachu, que estava no elenco que garantiu o aceso do Paysandu a Série C de 2012, relembra a dificuldade enfrentada pela equipe e o “susto” que teve quando se deparou com mais de 30 mil torcedores que recepcionaram o time no aeroporto, ao desembarcar em Belém. 
“Em 2012 esperávamos no máximo 10 mil torcedores no aeroporto, e quando chegamos nos deparamos com mais de 30 mil torcedores do Paysandu. Eu tenho certeza de que se conseguirmos esse acesso, o aeroporto estará tomado novamente de torcedores para comemorar com o grupo”, disse confiante.
**Fonte Portal DOL

Papão já está na estrada

Equipe bicolor vai ao Rio e depois segue para Minas, onde define o acesso amanhã contra o Tupi

Sem nada a esconder. Apesar de parte do treino de ontem de manhã ter sido fechada, o técnico Mazola Júnior garante que não se trata de uma tentativa de esconder a formação do time bicolor que vai a campo amanhã à tarde, contra o Tupi-MG, em Juiz de Fora (MG). “Está definido, sim. Entram Ricardo (Capanema) e Lenine. No resto é o mesmo time”, afirmou o treinador, indicando os substitutos dos suspensos Augusto Recife e Zé Antônio. A delegação do Paysandu viajou às 15h20 de ontem com destino ao Rio de Janeiro (RJ). Somente hoje eles vão para o interior mineiro.
De acordo com o treinador, nos últimos ajustes feitos ontem era necessária uma privacidade maior para comissão técnica e elenco. Era um momento apenas deles depois de quase um ano de trabalho visando justamente a esse confronto. O acesso está em jogo.
“Não vejo necessidade nenhuma de expor meus jogadores em um momento como este. Foi um trabalho muito importante. Uma coisa é usar o quadro, o vídeo, outra é estar dentro de campo e mostrar tudo o que deve ser feito. Isso faz aumentar a confiança do jogador no teu trabalho”, disse. “Hoje (ontem), ao contrário dos outros dias em que trabalhamos fechados, quando tentamos criar dúvidas no adversário, dessa vez trabalhamos algumas situações em relação aos jogadores adversários. Foi um treino de muita cobrança do que deu errado no jogo passado e isso não deve ser exposto. Até porque nem sempre se usa um linguajar muito agradável.”
O que Mazola fez questão de ressaltar é a igualdade do jogo entre Galo Carijó e Papão. Ele fez questão de refutar qualquer tipo de favoritismo para algum lado, seja pelo fato de o adversário jogar em casa ou pelo visitante ter o empate a seu favor. “Vamos com calma. A disputa está aberta, com muito equilíbrio mostrado no primeiro jogo. Isso não vai mudar no segundo. Serão os detalhes, no poder de concentração dos atletas.”
Com o time definido, com tempo para treinar, o comandante bicolor garante que quem vai a Juiz de Fora está preparado para dar o melhor. E vai mais adiante. Afirma que o Paysandu joga em seu limite, com todas as forças que cada um dos jogadores do elenco pode dar. O que, segundo ele, valoriza o trabalho feito até aqui.
“Óbvio que respeitamos um time que joga dentro de casa e tem uma campanha como essa. Mas o Paysandu vai consciente de que tudo o que poderia fazer foi feito. Não tínhamos mais para oferecer. Derramamos muito suor em viagens horríveis, em treinos sob chuva e sol forte. Chegar a essa situação mostra que a missão está sendo bem realizada”, avaliou Mazola.
Relação de jogadores 
Goleiros:  Douglas e Paulo Rafael
Laterais:  Aírton, Éwerton Silva, Fábio Alves e Yago
Zagueiros:  Charles, Fernando Lombardi, Pablo e Reniê
Volantes: Billy, Lenine e Ricardo Capanema 
Meias:  Djalma, Héverton e Marcos Paraná
Atacantes: Bruno Veiga, Dennis, Rômulo e Ruan
**Fonte JAmazonia

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

“Quero colocar o Paysandu na Série B”, diz meia

O meia Héverton não quer apenas participar do jogo decisivo diante do Tupi-MG neste sábado (25). O bicolor quer garantir ao Paysandu o acesso à Série B do Brasileiro 2015. 
A tarefa não é tão fácil quanto parece. Mesmo após a vitória por 2 a 1 sobre o Tupi-MG no jogo de ida, no Mangueirão, em Belém, e com a vantagem do empate garantida, a equipe paraense jogará fora de casa e seu o apoio da sua fiel torcida. 
Porém, mesmo distante, Héverton ressalta que é pela força da torcida do Papão que o grupo está focado na vitória. 
“Quero colocar o Paysandu na Série B, não desmerecendo nenhum outro clube com quem a gente jogou e nem nosso adversário, mas um clube como o Paysandu não merece ficar na situação que está, e por isso vamos dar tudo da gente para conseguir esse acesso”, disse. 
Paysandu e Tupi-MG se enfrentam neste sábado (25), em Juiz de Fora (MG).
**Fonte Portal DOL

Debaixo de chuva, torcida aparece em grande número durante treino bicolor

Nem a chuva que caiu na tarde desta quarta-feira, dia 22, na capital paraense afastou a torcida do Paysandu, que aproveitou o treino para dar apoio ao elenco bicolor. Com o grande número de torcedores que compareceu a Curuzu, os jogadores ficaram entusiasmados, e garantem um incentivo a mais para o próximo sábado, quando disputa contra o Tupi, em Juiz de Fora, o acesso à Série B.
– No último jogo estava bonito ver a torcida nos apoiando e hoje no treino também foi bom. Isso mostra que a torcida está confiante que iremos trazer essa classificação lá de Juiz de Fora – contou o lateral-esquerdo Airton.
Héverton concordou com o companheiro de time.
– É muito bonito toda essa demonstração com o clube que eles têm. Principalmente a gente que vem de fora. Sabemos da responsabilidade que temos com a torcida do Paysandu. A gente quer proporcionar pelo menos um dia de alegria para eles, trazendo a classificação. Queremos dar alegria para eles – revelou o meia.
Enquanto o torcedor alviceleste fazia a festa na arquibancada, dentro de campo, no primeiro momento, o elenco foi dividido em dois grupos realizando um trabalho específico entre ataque e defesa. Na segunda parte, o técnico Mazola Júnior comandou treinamento tático, com campo reduzido, chamando atenção e parando várias vezes a movimentação. No fim, o elenco ainda treinou cobranças de pênaltis, o que não pôde ser acompanhado pela imprensa.
A equipe titular treinou com a seguinte formação: Douglas; Charles, Fernando Lombardi e Pablo; Yago Pikachu, Ricardo Capanema, Lenine, Héverton e Airton; Ruan e Bruno Veiga. Os titulares venceram por 1 a 0, gol de Bruno Veiga, que arrancou aplausos da torcida presente.
**Fonte GloboEsporte/PA

Para não entregar o jogo

Mazola Júnior fecha treino do Papão para acertar últimos detalhes antes do duelo com o Tupi-MG

Quando acabou o jogo com o Crac-GO (o último da primeira fase da Série C), todos já sabiam como nosso time deveria jogar, quais os jogadores que estavam pendurados, essas coisas. Não tinha muita coisa para esconder.” A declaração de Mazola Júnior foi feita nos dias que antecederam o primeiro confronto com o Tupi-MG. De fato, a essa altura da competição é difícil tirar algum coelho da cartola. Mas, assim como fez semana passada, hoje de manhã o técnico bicolor comanda o último treino em Belém com os portões fechados. O que acontecer logo mais na Curuzu só será de conhecimento da comissão técnica e do elenco.
Ontem à tarde, na Curuzu, sob forte chuva, Mazola comandou um mini-coletivo. Nele, deu indícios de que Ricardo Capanema e Lenine serão mesmo os substitutos na cabeça-de-área dos suspensos Augusto Recife e Zé Antônio. A delegação paraense deixa Belém às 15 horas de hoje e amanhã à tarde, já em Juiz de Fora (MG), deve realizar uma última movimentação em um clube local.
Um tipo específico de trabalho que deve continuar até essa sexta-feira e que vem sendo feito nesses últimos dias é nas cobranças de penalidade. Caso o Galo Carijó devolva em casa o mesmo placar de 2 a 1 do Mangueirão, a vaga para a Segundona de 2015 será decidida nos pênaltis. Esse ano, o Papão teve uma experiência frustrada na decisão da Copa Verde, algo que os bicolores não querem que se repita, por isso a precaução.
“A gente fala de pênalti e pensa logo no Brasília-DF. Temos que estar bem preparados para apagarmos aquela imagem”, disse o centroavante Dennis, que comentou sobre a força dos últimos treinamentos. “O Mazola tem uma característica muito boa que é cobrar sempre. Se ele vê algo que não agrada, ele reclama, cobra. Aqui Não tem zona de conforto, o que é bom para a preparação.
O lateral esquerdo Aírton garante que se isso acontecer, o Papão estará preparado. Embora admita que tudo seja decidido dentro de campo. “Se acontecer vamos procurar o melhor. Não queremos que seja assim, mas se acontecer vamos procurar o nosso melhor para vencer dessa vez.”
Quando perguntado sobre o assunto, Héverton fica até sem ter muito o que falar. Para ele, o importante nesse tipo de decisão é a concentração. “Sinceramente, vou ficar devendo essa resposta. Tudo é o momento. Decisão por pênaltis é foco total e espero que isso não aconteça. Se for, estamos bem treinados e vai ser na hora que vamos ver esse equilíbrio”, afirmou o meia.
**Fonte JAmazonia

Documentário no forno

“Paysandu - 100 anos de Payxão”, que vai contar a história bicolor, deve chegar às telas em fevereiro

Para comemorar o centenário do clube em 2014, o Paysandu está produzindo um filme que contará sua história. “Paysandu - 100 anos de Payxão” vai procurar mostrar os maiores feitos do clube com o foco no torcedor. De acordo com Ricardo Gluck Paul, membro do departamento de marketing do clube, a previsão de lançamento da película é dois de fevereiro de 2015, quando fecha o ciclo do centenário bicolor. O filme está sendo financiado em 100% pela Lei de Incentivo à Cultura, através da Ancine (Agência Nacional do Cinema), órgão oficial do governo federal.
“Com o filme queremos mostrar que o Paysandu construiu uma paixão, que é o seu torcedor. Ele vai ser o foco. Vamos apresentar esse sentimento da torcida, claro, narrando toda a trajetória do clube até hoje”, explicou Gluck Paul ao GloboEsporte.com.
A direção do documentário será dos cineastas paraenses Priscilla Brasil, diretora de “Filhas da Chiquita”, e Gustavo Godinho, co-diretor de “Brega S/A”. As filmagens estão sendo feitas em parceria com a Urca Filmes, com as produções de Leonardo Edde e James D’Arcy, os mesmos de “Tropa de Elite II”.
Algumas cenas já foram feitas nos jogos contra Treze-PB e Tupi-MG. As filmagens também se estenderão aos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, com depoimentos de personalidades do futebol brasileiro e pessoas que tiveram importância na história do Paysandu. Além disso, algumas tomadas serão realizadas em Buenos Aires, Argentina, local da vitória bicolor por 1 a 0 diante do Boca Juniors, pela Taça Libertadores das Américas de 2003.
**Fonte JAmazonia