terça-feira, 30 de setembro de 2014

Ficha Técnica: Paysandu-PA 3X2 Treze-PB


Paysandu-PA 3X2 Treze-PB
Campeonato Brasileiro
Série C - 17ª Rodada

Local: Estádio Nova Curuzú
Publico: 8.370
Renda: R$ 153.848,00

Arbitro: Wagner do Nascimento Magalhães- RJ

Auxiliares: Aelson Mariano Campelo Gomes-MA e Sandro do Nascimento Medeiros-MA
Cartão Amarelo: Zé Antônio, Héverton, Pablo (PSC); Fernandes, Pitty (TRZ)
Cartão vermelho: Fernandes (TRZ)
Gols: Pablo 29' 1T, Pikachu 45' 1T, Rômulo 35' 2T (PSC); Rafael Oliveira 33' 1T, Guto 46' 1T (TRZ)

Paysandu
Paulo Rafael, Pikachu, Charles (Rômulo), Fernando Lombardi e Airton (Dennis), Augusto Recife, Pablo, Zé Antônio e Héverton Coutinho, Ruan (Djalma) e Bruno Veiga.
Técnico: Mazona Júnior

Treze
Gilson, Alison, Wanderson, Pitty e Guto, Charles Vágner (Hélio Paraíba), Magno, Birungueta e Fernandes, Rafael Oliveira e Bruno Aquino (Leandro Batista).
Técnico: Éverton Goiano

O sonho continua vivo

Papão vence o Treze-PB por 3 a 2 na Curuzu e vai decidir a classificação na última rodada da série c

Série C é assim, sofrida. Ainda estamos vivos e vamos atrás dessa vaga.” A fala do volante bicolor Augusto Recife, logo após o apito final que decretou a vitória de 3 a 2 sobre o Treze-PB, ontem à noite na Curuzu, mostra o quanto sofrida foi a partida e como deve ser na última rodada, quando três da quatro vagas do Grupo A da Série C do campeonato Brasileiro serão definidas. O Papão briga com ASA-AL, Botafogo-PB, CRB-AL e Cuiabá-MT. Com 23 pontos, ainda na sétima colocação, o time paraense tem que vencer o Crac-GO, em Catalão (GO), e torcer por uma vitória ou um empate do Fortaleza-CE contra o Asa; e de que o Águia faça valer o mando de campo e vença o Botafogo-PB, em Marabá. Se essas combinações acontecerem, independente do que acontecer no confronto entre CRB e Cuiabá, o Papão estará no mata-mata que define o acesso para a segunda divisão de 2015. Toda a 18ª rodada será disputada no próximo sábado, às 19 horas.
Para os bicolores, o sonho ainda vale a pena de ser vislumbrado, mesmo dependendo de outros resultados. 
O jogo - Assim como foi em todos os jogos na Curuzu, o Paysandu começou com tudo, acuando o adversário. Foi assim que, na primeira finalização certa, aos doze minutos, o Papão abriu o placar. Yago cobrou falta pela direita e o zagueiro Pablo subiu mais que a marcação para escorar de cabeça e marcar. Também como tem sido nas partidas em que é mandante, o time bicolor pisou no freio. Aos poucos, o Treze se empolgou e foi para cima. O atacante Rafael Oliveira teve três chances até conseguir o empate.
Aos 20 e aos 28 ele chutou para a defesa do goleiro Paulo Rafael. Mas, ao 34, teve mais sucesso. Depois do cruzamento da esquerda, o arqueiro alviazul não conseguiu afastar e a bola sobrou limpa para o camisa nove do Galo dominar e chutar rasteiro para balançar a rede. Ex-Paysandu, Rafael não comemorou o gol.
O Papão sentiu o baque e tinha dificuldades para dar a resposta, que só veio num lance acidental. Pikachu recebeu pela direita e cruzou com força. O zagueiro Wanderson tentou tirar, mas errou o chute e colocou pra dentro do gol. A torcida respirou aliviada e já contava que os times iam para o intervalo com a vantagem do Papão. Mas, aos 45, mais uma frustração com mais um empate. O lateral esquerdo Guto cobrou falta direita e surpreendeu a todos que esperavam o cruzamento. O chute rasteiro desviou e tirou Paulo Rafael do lance.
A etapa final foi um teste para os cardíacos. Depois de uma bronca do treinador, o Paysandu pressionava, mas sem conseguir levar perigo ao gol adversário. O time bicolor chutava sem força, cabeceava para fora e, aos poucos, já tentava no abafa, no desespero. Com a defesa do Treze mostrando muita fragilidade nas bolas aéreas, Mazola Júnior colocou em campo dois centroavantes, Rômulo e Dennis. Foi dessa forma que veio o gol salvador. Aos 34, o meia Djalma cruzou da direita e Rômulo apareceu sozinho para desviar de cabeça e encher a Fiel de esperança de que a classificação ainda é possível.
**Fonte JAmazonia

Paysandu faz três, leva dois e vence o Treze na Curuzu

Resultado mantém o Papão vivo na luta por uma vaga na próxima fase da Série C

‘Foi difícil, foi. Foi intenso, foi’. Podia ser a letra de um famoso sertanejo da nova geração, mas foi apenas o cenário de mais um jogo do Paysandu no Campeonato Brasileiro da Série C. Diante do Treze-PB, na Curuzu, o Papão venceu e se manteve vivo na disputa por uma das quatro vagas que avançam à próxima fase da Terceirona.
Em um jogo muito disputado, os bicolores foram mais eficientes e balançaram a rede do adversário três vezes. O primeiro foi marcado pelo zagueiro Pablo, de cabeça. Wanderson, contra, e Rômulo, aos 35, fizeram a festa da Fiel. O Treze-PB foi para a rede com o ex-bicolor Rafael Oliveira e com o meia Guto, ambos no primeiro tempo.
O resultado deixou o Bicola com 23 pontos, dois a menos que o Botafogo-PB, que é o quarto colocado. Já o Treze-PB ficou em situação difícil na luta contra o rebaixamento, com 16 pontos,  na penúltima posição, para a alegria do Águia de Marabá, que segue fora da zona.
Na próxima rodada, o Paysandu faz mais uma decisão, dessa vez contra Crac-GO, fora de casa, sábado (4), às 19h. No mesmo dia o Treze recebe a equipe do Salgueiro-PE, também às 19h.
1º Tempo: Disputa, muitos gols e empate - Assim como no jogo contra o Cuiabá-MT, o Paysandu começou a partida diante do Treze-PB dando muito sufoco para o adversário. O público também repetiu a dose e compareceu em bom público no estádio alviceleste, transformando em uma caldeirão.
Com maior volume, o Treze-PB dava pinta que seria alvo fácil para o time de Mazola. Os Bicolores, então, foram para cima e chegaram ao primeiro gol. O lateral-direito Yago Pikachu, bastante acionado, cruzou bola para a área do adversário, encontrando Pablo, que subiu e colocou para dentro, explodindo a Curuzu. 1 a 0.
O gol, porém, teve o mesmo efeito do tal jogo com o Cuiabá-MT, servindo para recuar o time e dá espaços ao Galo da Borborema, que passou a ganhar gosto pela posse de bola e incomodou o goleiro Paulo Rafael em seguidas jogadas.
O castigo não poderia ser outro, a não ser o empate dos visitantes. E um empate com sabor amargo, vindo de um ex-bicolor. Em jogada do meia Fernandes, a bola foi passada para o atacante Rafael Oliveira, que aproveitou falha do goleiro Paulo Rafael e mandou para o fundo da rede. 1 a 1.
O Treze estava crescendo, dando a entender que logo chegaria ao segundo gol, deixando a torcida do Papão em alerta. Mas o destino foi bom com o Paysandu, e deu o segundo gol na reta final do primeiro tempo, em chute de Yago Pikachu, que desviou em Wanderson e matou o goleiro Gilson. 2 a 1.
Quando o jogo já se encaminhava para a vitória parcial do Paysandu no final do primeiro tempo, o Treze foi lá e conseguiu o empate novamente, dessa vez com Guto, que recebeu, mandou uma bomba e estufou a rede de Paulo Rafael. 2 a 2 ao final dos primeiros 45 minutos.
2º Tempo: Brilha a estrela de Rômulo - No segundo tempo, a postura ofensiva do início do primeiro tempo foi mantida, dando sustos ao goleiro Gilson logo na saída de bola, quando, após cruzamento, Héverton desviou e o camisa 1 do time paraibano fez bela defesa.
O Paysandu tinha o domínio da posse de bola e o apoio do torcedor, que mesmo com os erros da equipe, esteve ao lado, incentivando. A defesa do Treze-PB e o relógio, por outro lado, eram adversários incômodo, mantendo o empate.
O jogo encaminhava-se para a reta final quando o Treze perdeu uma importante peça. O meia Fernandes, camisa 10, simulou penalidade máxima e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo expulso, para protesto de jogadores e comissão técnica do Galo. Os bicolores não tinham nada a ver com isso, e o técnico Mazola lançou o atacante Rômulo no lugar de Charles.
Mais ofensivo, a coração da equipe e do técnico veio aos 35 minutos, quando em cruzamento para a área, o centroavante saído do banco de reservas brilhou, colocando a bola para dentro. 3 a 2.
Com um a mais numericamente e no placar, foi só segurar a vantagem e garantir três pontos importantes na luta pela classificação.
**Fonte Portal ORMNews

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Héverton toma o comando

Meia volta ao papão em um momento decisivo e quer mostrar que pode fazer a diferença: “darei o meu melhor”

De volta ao time para ser a principal referência do meio de campo bicolor, Héverton tenta mostrar que de fato cresce em momentos decisivos. Foi assim em alguns dos principais jogos do Papão nesse ano. Se não conseguiu manter a regularidade esperada do maior investimento do clube nessa temporada, Héverton conseguiu se sair bem quando a equipe mais precisou e, mais do que nunca, o Paysandu vai precisar muito dele e de todos que estiverem em campo nesses dois jogos finais da primeira fase da Série C.
“Chegou o momento em que não podemos mais perder. Não temos mais para onde correr. O importante é conquistar os três pontos. Não tem mais o que fazer a não ser vencer os dois jogos. São decisões e o time está determinado para fazer o melhor”, disse o meio-campista, que ficou de fora em duas rodadas por causa de uma lesão muscular que aparentava não ser tão séria, mas que o prejudicou e ao time também. 
De acordo com ele, momentos complicados de encarar. “É muito difícil ficar de fora e ver os companheiros se doando tanto e não poder fazer nada para ajudar. É triste, mas já passou e não adianta ficar lamentando. Acredito em nosso time e ele vai honrar essa camisa. Trabalhamos demais nesses últimos dias para essa recuperação”.
Héverton tem consciência que depender dos resultados dos outros é algo que foge ao controle dos bicolores. Mas os resultados de ontem deixaram pelo menos uma vaga aberta e ela pode ficar com o Paysandu, desde que o time vença e os “deuses do futebol” deem uma mãozinha. “Futebol é tão inconstante que acho que, fora o Fortaleza-CE, ninguém mais está garantido. Esperamos que algo nos ajude, nem que seja algo sobrenatural. Vamos fazer o possível e o impossível para a nossa classificação”,
**Fonte JAmazonia

Mazola é um dos mais otimistas

Entre os bicolores, o técnico Mazola parece ser o mais confiante na classificação do time, a duas rodadas do fim da primeira fase da Série C. “Ninguém está sonhando aqui, iludindo o torcedor. É a realidade. Ninguém esperava que a gente ganhasse do Botafogo lá (na Paraíba). Essa chave é assim, e nós vamos tentar ganhar o Treze para chegar com chances na última rodada, quando tudo pode acontecer”.
Ele diz que não existe motivo para o torcedor desacreditar. “Nós vamos enfrentar um adversário que já está praticamente rebaixado. Então não é o momento para desespero. É acreditar porque ainda existe possibilidade. Se não houvesse essa possibilidade, eu seria o primeiro a vir aqui e descartar essa situação”, argumentou Mazola.
O treinador não escondeu o seu descontentamento com a derrota para o Cuiabá, resultado que quebrou a sequência de bons resultados do time. “O Cuiabá fez pouco para ser merecedor da vitória. Foi mais uma falha inadmissível neste nível de competição. Mas isso já passou”, disse.
O treinador afirmou que não está levando em conta o lado emocional. “Não trabalhamos com a emoção, mas sim com a consciência , com números, com objetivos, com aproveitamento. Foi muito ruim foi, foi péssima a derrota para o Cuiabá, mas se a gente vencer o Treze, chegaremos a última rodada com muitas possibilidades de classificação”, previu Mazola, garantindo que o time está preparado para encarar o Galo.
“Tivemos um bom preparo para esse jogo com o Treze. Temos a oportunidade de jogar em casa e o torcedor tem de acreditar”, concluiu.
**Fonte Diário do Pará

Ficha do Jogo: Paysandu-PA X Treze-PB


Paysandu-PA X Treze-PB
Campeonato Brasileiro
Série C - 17ª Rodada

Local: Estádio Nova Curuzú
Data: 20.09
Hora: 21hs30

Arbitro: Wagner do Nascimento Magalhães- RJ
Auxiliares: Aelson Mariano Campelo Gomes-MA e Sandro do Nascimento Medeiros-MA

Paysandu
Paulo Rafael; Charles, Fernando Lombardi e Pablo; Yago Pikachu, Zé Antônio, Augusto Recife, Héverton e Airton; Ruan e Bruno Veiga.
Técnico: Mazola JR.

Treze
Gílson; Bruninho, Pitty, Wanderson, Márcio Paraíba e Fernandes; Charles Vagner, Leandro, Magno; Birungueta e Rafael Oliveira
Técnico: Everton Goiano

Papão ganha última chance

Time encara o treze hoje à noite em busca da vitória para aliviar o clima e manter vivo o sonho do acesso

Depois da derrota por 2 a 1 em casa para o Cuiabá-MT, o Paysandu pode ter visto cair por terra todo o esforço empreendido para se recuperar na Série C do Campeonato Brasileiro. Para ainda sonhar com a classificação à segunda fase, o mata-mata que decide o acesso à Segunda Divisão, o Papão tem que vencer o Treze-PB hoje à noite, mais uma vez na Curuzu, e torcer por tropeços dos concorrentes diretos à vaga na última rodada. Sétimo colocado do Grupo A, pelo menos até o início da 17ª rodada, o time paraense vai precisar de muito fôlego para buscar duas vitórias consecutivas. E a estratégia para tanto mudou. Se antes a ordem era partir para o ataque e sufocar os rivais, agora o time apela a sua maior arma nesta Série C: a força defensiva.
O técnico Mazola Júnior subverte o ditado de que “a melhor defesa é o ataque”. Hoje, o Paysandu tem peças muito mais qualificadas para se defender do que para sufocar o adversário. Tanto foi assim que, nas duas últimas partidas fora de casa, venceu o vice-líder Botafogo-PB por 1 a 0 e empatou sem gols com o líder Fortaleza-CE. Dentro de casa, quando teve que ir para cima, deu no que deu diante do Cuiabá-MT. Antes disso, já havia sido bastante complicado vencer por 1 a 0 o Salgueiro-PE, também no Leônidas Castro.
Sabendo disso, o comandante bicolor voltou à formação que mais deu certo até aqui, com três zagueiros e cinco homens no meio de campo. Mas engana-se que assim o Papão fica retrancado. Fica mais forte na defesa, certamente, mas com essa segurança fica mais à vontade para ir para cima. Nada garante que vai dar certo, mas diante do principal problema do time até aqui, parece uma aposta viável.
“Infelizmente, jogadores de qualidade já comprovada em outros clubes não tiveram o mesmo desempenho aqui”. A declaração de Mazola Júnior faz referência aos armadores. De fato, jogadores como Raul e Rafael Tavares, que já até deixaram o clube, tiveram desempenhos muito bons em ouros clubes em temporadas recentes e, no Paysandu, não repetiram as atuações. Para deixar tudo mais difícil, quando Marcos Paraná estava em seu melhor momento, ele se machucou seriamente e ficou de fora de várias partidas. Ele voltou aos treinos semana passada e ainda hoje deve ter uma definição se terá condições de voltar aos gramados.
Até o treino de ontem à tarde, Mazola não qualquer indicativo de que mudaria de opinião. Ao contrário, manteve a mesma formação que vinha testando nos últimos dias, com cinco alterações em relação ao time que perdeu para o Cuiabá: o zagueiro Pablo, o volante Augusto Recife, o lateral esquerdo Aírton, o meia Héverton e o atacante Raul. O time treinou com: Paulo Rafael no gol; Charles, Fernando Lombardi e Pablo na defesa; Yago, Zé Antônio, Augusto Recife, Héverton e Aírton no meio; Ruan e Bruno Veiga no ataque.
**Fonte JAmazonia

domingo, 28 de setembro de 2014

Mazola define Paysandu com três zagueiros para enfrentar o Treze-PB

O técnico Mazola Júnior já definiu o time que entra em campo contra o Treze, da Paraíba, na próxima segunda-feira (29), às 21h30.Em treino realizado na manhã deste sábado, o comandante bicolor definiu o time com três zagueiros. O jogo é válido pela penúltima rodada do Grupo A da Série C do Brasileiro. 
Charles, Fernando Lombardi e Pablo fazem a nova formação da zaga, enquanto Zé Antônio e Augusto Recife ficam no meio de campo. A formação fica em 3-4-3 para buscar a vitória diante dos paraibanos.
O Paysandu está definido com Paulo Rafael; Charles, Fernando Lombardi e Pablo; Yago Pikachu, Zé Antônio, Augusto Recife, Heverton e Airton; Ruan e Bruno Veiga.
**Fonte GloboEsporte/PA

Paysandu, que joga amanhã, acompanha duelos de concorrentes diretos por uma vaga na Série C

Sétimo colocado do Grupo A até o início da 17ª rodada, o Paysandu ainda está vivo na Série C do Campeonato Brasileiro, em busca de uma das três vagas abertas para a segunda fase. Mas respira através de aparelhos. Além do jogo de amanhã à noite na Curuzu, contra o Treze-PB, o Papão ainda vai enfrentar o já rebaixado Crac-GO no sábado. Com 20 pontos, a quatro do grupo de classificados à próxima fase, o time paraense precisa vencer seus dois próximos jogos e torcer pelos tropeços de CRB-AL, Salgueiro-PE, ASA-AL, Cuiabá-MT e Botafogo-PB. O líder Fortaleza-CE já está classificado.
Ontem, o Cuiabá recebeu o Águia, na Arena da Floresta, e a torcida era toda pelo time marabaense. O Dourado tinha 22 pontos antes dessa partida e, se pelo menos empatar, já beneficia o Papão. Hoje, a Fiel vai ficar atenta nos demais jogos para secar os concorrentes. Às 16 horas, a torcida é para que aconteça o improvável e o ASA não consiga vencer em casa o Crac. O time alagoano é o sexto colocado com 22 pontos. No mesmo horário, no interior pernambucano. Enfrentam-se Salgueiro e CRB. Os dois times têm 24 pontos e o melhor para os bicolores é que haja empate. Botafogo-PB e Fortaleza fecham a rodada em João Pessoa (PB) e o Paysandu quer uma vitória tricolor ou um empate.
A 18ª rodada será toda no sábado, dia 4 de outubro. O Papão vai a Catalão enfrentar o já desinteressado Crac e vai ficar de olho nos rivais. O Águia recebe em casa o Botafogo-PB e seria uma boa para o Papão se o Azulão afastasse de vez o fantasma do rebaixamento diante do alvinegro paraibano. Em Campina Grande (PB), o Treze enfrenta o Salgueiro e os bicolores torcem pela vitória do time da casa. No Castelão, jogam Fortaleza e ASA e mais uma vez os alviazuis torcerão pelo líder. Por fim, CRB e Cuiabá jogam em Maceió (AL) e a probabilidade maior é que um time desclassifique o outro.
Entre os jogadores, há a ciência de que chegou o momento de fazer contas e torcer contra. De acordo com Fábio Alves, algo que ninguém gosta de fazer, mas que tem que ser encarado nesse momento. “Não tem como fugir disso agora. Desde o domingo a gente vem analisando os resultados, esperançosos de que algo mude a nosso favor. O grupo ainda está equilibrado e temos que fazer a nossa parte”, disse o lateral esquerdo, que mostra confiança em ficar com uma das vagas e aponta com o argumento o equilíbrio da competição.
“A Série C está muito equilibrada. Tiramos pontos fora e perdemos em casa. É complicado se manter ganhando sempre. A única exceção é o Fortaleza, que tem um grupo de Série B e já se classificou. Nós precisamos desses resultados porque ainda temos esperanças de classificação.”
O atacante Jeferson Maranhense reconhece que não gosta de fazer esse controle, mas que tem em casa uma ajuda nesse sentido. “Creio que as vagas ainda estão abertas. Vencendo os dois jogos e com um tropeço dos adversários, a gente pode chegar à vaga sim. Minha esposa gosta de acompanhar tabelas, ver os cruzamentos, e disse que de três times pelo menos um deve tropeçar. Para ela, o Cuiabá e o Salgueiro terão jogos mais difíceis. Eu acredito que até o final tudo vai dar certo.”
**Fonte JAmazonia

sábado, 27 de setembro de 2014

Vale tudo pelos 3 pontos

Novidade no ataque bicolor, Ruan diz que não há mais espaço para erro e que só a vitória interessa ao time

Depois de quase 40 dias tratando uma lesão muscular que quase o tirou da temporada, o atacante Ruan conseguiu se recuperar e voltou aos gramados na rodada anterior, justamente na derrota em casa pra o Cuiabá-MT, resultado que deixou bem mais difícil a missão bicolor pela classificação para a segunda fase da Série C do Campeonato Brasileiro. Após o treino de ontem, ficou a deixa de que ele volta a ser titular. “Estou a 100% e trabalhando muito forte. Estou pronto para dar meu máximo como sempre fiz”, disse o jogador.
Aos 21 anos, Ruan lembra que os dias que ficou parado no departamento médico bicolor foram os primeiros em sua carreira. Ele garante que nunca havia passado por uma lesão, mas que estava preparado para uma situação como essa em sua profissão. O que ele lamenta é que a contusão o atrapalhou justamente quando estava em seu melhor momento com a camisa do Papão, tendo conquistado a condição de titular e vindo de uma sequência boa de jogos. 
“Foi minha primeira lesão e isso acontece, infelizmente. Estava num bom momento, mas tive que ter paciência e hoje estou bem, pronto. Quero aproveitar os jogos que restam para comprovar que vim para ajudar”.
Se a chance de voltar ao time de fato for confirmada, o atacante diz que não há outra forma de ver o confronto com o Treze a não ser como uma final. Ruan garante que não só ele como todos dentro do elenco, depois de tudo o que se passou, dos erros e acertos, sabem que nada mais importa que não os três pontos.
“Oportunidades surgem e é obrigatório que se aproveite. Encaro a possibilidade de jogar como se fosse entrar para uma decisão”, confirmou o atacante, que diz que apesar das dificuldades vê sua breve passagem pela Curuzu como superavitária. “Estava sem jogar no Internacional-RS, meio esquecido. Tive partidas boas aqui e apareceram propostas, quis ficar porque estou feliz aqui. Não abriria mão dessa oportunidade. Não tenho nada do que reclamar desde que cheguei. Treinei dias, semanas com uma lesão grau dois e até levei uma dura por causa disso. Não queria estar parado aqui. Todos sabem que quando me machuquei da primeira vez até quis ir embora se não fosse mais jogar”
**Fonte JAmazonia